sexta-feira, 15 de junho de 2018

Evangelho Segundo Marcos: Personagens Anônimos (5.1-20)



            Todos os filmes além dos atores principais há sempre um numero expressivo de “figurantes”, aquelas pessoas que passam pelas cenas, mas normalmente não falam absolutamente nada e por isso seus nomes acabam não sendo mencionados. Mas sem a participação destes “figurantes” as cenas ficaram vazias e sem sentido.
            No evangelho redigido por Marcos encontramos uma pequena lista de personagens cujos nomes ficaram desconhecidos. Mas alguns deles participam efetivamente das cenas, todavia ficamos sem saber quem eram. Na literatura extra bíblica alguns desses personagens têm sido identificados e nomeados, todavia, na maioria das vezes são no mínimo questionáveis, quando não totalmente inverossímil.
O fato deles não serem identificados nominalmente significa que pode qualquer pessoa, ou seja, estes personagens em seu anonimato tipificam as mais diversas pessoas e situações da vida cotidiana.  Abaixo indicamos esses personagens anônimos e as respectivas referências.
Personagens Anônimos no Evangelho Segundo Marcos
Um homem endemoninhado na Sinagoga (1.21-28)
A Sogra de Pedro (1.29-30)
O Geraseno endemoniado (5.1-20)
Uma mulher com fluxo de sangue (5.25-34)
A mãe de Herodias (6.24, 28)
Um soldado da guarda de Herodes (6.27)
Uma mulher síria-fenícia (7.24-30)
Dois dos discípulos de Jesus (11.1-7; 14.13-16)
Um escriba (12. 28-34)
Um dos discípulos de Jesus (13.1)
Uma Mulher que unge a cabeça de Jesus (14.3-9)
Um escravo do sumo sacerdote (14.47)
Um jovem que foge do Getsêmani nu (14.51-52)
Uma serva do sumo sacerdote (14.66-69)
[dois discípulos anônimos] - ([somente 16.12-13], cf. Lucas 24.13-35)

O Geraseno Endemoniado (5.1-20)
            Nada chama mais atenção do que um milagre e quando envolve um exorcismo fica ainda mais atrativo. Os casos de possessão são enumerados com várias doenças, mas sempre tratado de forma distinta delas. Outra característica é o fato de que Jesus Cristo lida com esses casos, não como alguém que sofre de insanidade mental, mas como uma pessoa que se encontra submisso a um poder espiritual distinto dele próprio. De todos os casos registrados na literatura evangélica não há outro descrito de forma tão minuciosa quanto este registro de Marcos. Seus dois colegas sinóticos também registram esse acontecimento (Mt 8.28-34; Lc 8.26-39), mas nenhum deles o faz de forma tão completa e detalhada quanto Marcos.[1]
A bíblia não explica como ocorre o processo da possessão, mas nas páginas do Segundo Testamento o fato é tratado como algo real[2] e não psicológico (como alguns querem explicar) e Jesus teve que tratar com essa situação muitas vezes durante seu ministério terreno, mas como tudo o mais os evangelistas fizeram uma seleção de quais situações registrariam. Essas narrativas não são aleatórias, mas cada um dos evangelistas as utiliza dentro de seus propósitos literários em harmonia aos seus leitores primários.
Um aspecto importante é que o ser humano tornou-se sujeito aos poderes malignos somente após a queda. O pecado não somente destruiu a imagem e semelhança que o ser humano tinha com Deus, como escancarou sua vida para as ações dos espíritos malignos, que assim como seu chefe mor somente entram na vida das pessoas para – matar, roubar e destruir. Esta narrativa marqueana ilustra de forma clara as consequências da atuação maligna na vida humana.
Este acontecimento ocorre logo após Jesus ter acalmado a grande tempestade que por pouco não levou o pequeno barco ao naufrágio. Assim como Jesus tem pleno domínio sobre a natureza, acalmando a violenta tempestade apenas com uma palavra, igualmente possui autoridade plena sobre as coisas espirituais, incluindo os espíritos malignos.
 
A narrativa se inicia delimitando o espaço geográfico do acontecimento que será narrado: “chegaram ao outro lado do lago, o território [país] dos gerasenos [gadarenos]”. Os romanos deram o nome de Decápolis (que significa 'dez cidades') a uma extensa região situada em grande parte ao sul e a leste do mar da Galileia. Seus habitantes eram principalmente gentios. Os evangelistas mencionam duas de suas localidades, Gadara e Gerasa, e certas ocasiões em que Jesus visitou a região.
 Marcos nos oferece muitos detalhes: o endemoniado vem “imediatamente” ao encontro de Jesus e se prostra, não para adorar, mas em um gesto de vencidos de guerra, reconhecendo a vitória de Jesus e rogando clemência: “Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo?”,[3] mas como em outras ocasiões
Jesus rejeita, ainda que correta, essa expressão proferida pelos espíritos malignos.[4] A degradação desse homem é total: vivia “entre as sepulturas” e ninguém “podia prendê-lo mesmo utilizando cadeias”;  perambulava sem direção, dia e noite, entre as montanhas e túmulos (nas cavernas)[5]  gritando e se autoflagelando, totalmente sem roupas. Mateus (8.28) diz que ele era "excessivamente feroz, para que ninguém passasse por aquele caminho", ele era o terror de toda aquela região. Humanamente falando aquele homem não tinha nenhuma esperança, mas Jesus veio para aqueles que não têm esperança de salvação por si mesmo. Todos que o conheciam queriam se livrar dele, mas Jesus buscar e salvar os párias da sociedade. Como o homem não tem seu nome identificado ele torna-se uma perfeita representação do ser humano sem Deus e totalmente à mercê das ações malignas.
            Como de vezes anteriores Jesus não toca e nem se utiliza de rituais (teatrais) como é comum nos antigos e atuais “exorcistas”. Ele expulsa os demônios unicamente com uma ordem (cf. Mt. 8.16), assim como fizera quando com apenas uma ordem fez sossegar a imensa e destrutiva tempestade “sossegai”.
Mas o evangelista torna a cena ainda mais dramática quando Jesus pergunta: “Qual é o seu nome?” e a resposta vem imediata: “Meu nome é legião, pois somos muitos”.[6] O fato de não desejarem sair da região: “não nos envia para fora desta região” demonstra que as ações desses demônios não se restringiam apenas àquele homem, mas agiam por todo aquele espaço geográfico, assim como as legiões romanas impunham violentamente a vontade do Império sobre todas as pessoas e lugares. Que situação miserável deste homem! Que situação desgraçada do ser humano sem Deus!
O caráter desses seres infernais fica evidente no pedido que fazem a Jesus, pois sabiam que teriam que abandonar o corpo daquele homem e que não podiam resistir ao poder de Jesus: “envia-nos para aqueles porcos”, pois havia uma vara de porcos próximo deles. Os demônios temiam que Jesus os mandasse para o abismo (Lc 8.31; Ap 9.1-2; 9.11; 20.1-3), o que para eles teria significado tormento eterno e o fim de sua liberdade de ação. Eles sabiam quem era Jesus e o que poderia fazer com eles.
O texto nos revela que Jesus tem plena consciência da existência dos seres malignos; de que eles apenas operam para o mal e que para eles uma vida humana vale tanto quanto a de um porco (animal irracional). Informados imediatamente por seus funcionários, a atitude dos proprietários da vara de porcos, que possuídos pelos seres malignos se lançam de um despenhadeiro ali próximo, é semelhante às dos demônios; ao invés de se alegrarem pelo pleno restabelecimento da vida daquele homem, roga/suplica que Jesus saia de suas terras, pois lhes causou um grande prejuízo financeiro. O dinheiro era mais importante que a cura daquele homem ou a salvação de suas próprias almas, pois ao rejeitarem Jesus estavam rejeitando a libertação que somente Ele poderia lhes proporcionar e permaneceram reféns das artimanhas e influencias do diabo. Há um sentimentalismo barato que tem prevalecido nos dias atuais, em que se entristece e se compadece de um animal, mas não reação igual quanto à situação miserável de milhões de pessoas. Na escala de valores de Deus, não nada tão importante quanto uma alma humana.
Outro detalhe interessante aqui é a reação de medo/temor de todas aquelas pessoas ao verem aquele homem, que era o terror de toda aquela região, “assentado, vestido e em perfeito juízo (com a mente saudável ou em suas perfeitas faculdades mental)”. Temeram a sanidade mental dele! Assim como os discípulos se “espantaram” quando Jesus acalmou a terrível tempestade, agora é de a vez daquela pequena multidão ficar “espantados” com o poder Jesus sobre os demônios.
Aquele homem vendo-se agora completamente libertado da possessão demoníaca expressa seu desejo de servir e seguir a Jesus, a reação imediata de todos que experimentam uma genuína libertação do pecado. Todavia, a orientação de Jesus é que ele permaneça naquela região e seja uma testemunha do que Jesus está fazendo em favor das pessoas oprimidas pelo diabo, junto aos seus familiares e demais moradores da cidade. E aqui temos uma dupla dose de ironia:
enquanto no território eminentemente judaico Jesus não incentivava as pessoas a anunciarem suas ações (cf. 1.25, 34 e 44; 3.12), para não antecipar os eventos relacionados à sua missão messiânica, mas aqui Ele orienta o homem liberto a anunciar/proclamar/pregar a todos o que lhe havia acontecido, pois anunciar o Evangelho não se trata apenas de dogmas teológicos, mas de compartilhar fatos concretos que Jesus produziu na sua vida, na sua história;
a outra é que Jesus atende aos pedidos dos demônios e dos moradores daquele lugar, mas não atende ao pedido daquele homem que desejava ir com ele e servi-lo. Ser missionário para Cristo, na região onde ele era tão conhecido e temido há tanto tempo, era um chamado muito mais nobre do que segui-lo onde ninguém jamais ouvira falar dele. E assim que Jesus partiu com os discípulos aquele homem liberto começou a anunciar - não apenas entre seus familiares e amigos, mas "em Decápolis" – as dez cidades que perfazem toda aquela região.
Essa é a marca distintiva de uma genuína conversão – falar do que Jesus fez na sua vida – e não apenas usufruir dos benefícios da salvação. O evangélico materialista e hedonista apenas deseja “levar vantagem” através do Evangelho, mas não tem o mínimo compromisso em anunciar o que Jesus fez por ele, pois na verdade jamais experimentou uma real conversão.
A grande tática do diabo é ficar invisível ou imperceptível aos olhos humanos. O ceticismo que predomina na mentalidade moderna e pós-moderna dos dias atuais ignora completamente as ações malignas, bem como a própria existência de Deus. O ceticismo é a melhor terra para Satanás lançar seu joio, de maneira que as colheitas de vidas serão abundantes. Nunca se viu a maldade em escala tão crescente como nesses últimos tempos; nunca se viu tanta violência (o numero de homicídios extrapola todas as estatísticas) e miséria humana, da qual a “cracolândia” é apenas um pequeno lampejo da destruição de vidas pelo caminho das drogas – é impossível olhar tais cenas e não pensarmos neste homem descrito aqui no texto evangélico de Marcos. As legiões tem se multiplicado por todas as cidades brasileiras! Não há uma família que não tenha ao menos uma pessoa envolvida com as drogas ou álcool.
E da mesma forma que aconteceu naqueles dias, ainda hoje, somente Jesus pode libertar o ser humano da escravidão de Satanás e do pecado. Somente a mensagem simples do Evangelho ainda continua sendo o único poder para salvação de todo aquele que crê.
Mas enquanto as pessoas estão sofrendo horrivelmente debaixo das influências malignas do inferno, os evangélicos brasileiros estão preocupados com seu time de futebol, com a seleção brasileira, com a construção de novos templos (mais confortáveis), com a troca do carro, da casa e alguns até dos cônjuges.
Da mesma forma com que os sacerdotes alojados confortavelmente no suntuoso templo que foi enriquecido por nada menos do que Herodes e que viviam à custa dos ofertantes; assim como os fariseus, saduceus e escribas se digladiavam em discussões teológicas inúteis e estéreis de amor ao próximo e semelhantemente aos herodianos e zelotes que estavam preocupados em impor seus sistemas de governo e dispostos a matarem por isso, o evangelicalismo brasileiro está totalmente alienado da terrível realidade em que milhões de brasileiros vivem debaixo das ações malignas e mortíferas das hostes infernais. É preciso ler e reler continuamente essa passagem evangélica marqueana e que é repetida pelos dois outros evangelistas que enfatiza por si só a importância de sua mensagem.
Quando ouvirem o grito: “O Noivo chegou!” Os evangélicos materialistas e hedonistas entraram em desespero, pois verificaram que o azeite de suas lâmpadas está se acabando e desesperados irão correr atrás de mais óleo, mas quando retornarem a porta [estreita] estará fechada e eles ouviram as terríveis palavras: “Não vos conheço!” Despertai vós que dormes!

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião.
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Historiologia Protestante
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/


Artigos Relacionados
Evangelho Segundo Marcos: Personagens Anônimos (1.29-30)
Evangelho Segundo Marcos: Personagens Anônimos (1.21-28)
O termo Evangelho segundo Marcos
Galeria da Páscoa: A Negação de Pedro
Jesus no Templo: Evangelho Segundo Marcos
Entrada Triunfal de Jesus: Evangelho Segundo Marcos
A Última Viagem de Jesus para Jerusalém
BETÂNIA: Lugar de Refrigério e Vida

Referências Bibliográficas
ANDERSON, Hugh. The Gospel of Mark. London: Marshall, Morgan & Scott, 1976.
BETTENCOURT, Estevão. Para Entender os Evangelhos.  Rio de Janeiro: Agir, 1960.
BONNET, L. e SCHROEDER, A. Comentario del Nuevo Testamento – evangelios sinópticos. Argentina: Casa Bautista de Publicaciones, 1970.
CARSON D. A., DOUGLAS, J. Moo & MORRIS, Leon. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo:  ed. Vida Nova, 1997.
CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. São Paulo: Hagnos, 2006, 8ª ed.
CRANFIELD, C. E. B. The Gospel According to St. Mark. Cambridge: Cambridge University Press, 1966. 
GUTHIRIE, Donald. New Testament Introduction. Illinois: Inter-Varsity Press, 1980.
LEAL, João. Os Evangelhos e a Crítica Moderna. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1945.
HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento – Marcos. São Paulo: Cultura Cristã, 2003.
MORRIS, Carlos A. (Editor). Comentario bíblico del continente nuevo - Evangelio según San Marcos.Miami, EUA: Editorial UNILIT, 1992.
MULHOLLAND, Dewey M. Marcos – introdução e comentário. Tradução de Maria Judith Menga. São Paulo: Vida Nova, 1999. [Série Cultura Bíblica].
SOARES, Sebastião Armando Gameleira & JUNIOR, João Luiz Correia. Evangelho de Marcos, v.1, ed. Vozes, Petrópolis, 2002.
STERN, David H. Comentário judaico do Novo Testamento. São Paulo: Atos, 2008.
TENNEY, Merrill C. (Org.). Enciclopédia da Bíblia. São Paulo: Cultura Cristã, 2008.
TUYA, Manuel de. Biblia Comentada – Evangelios. Texto de la Nácar-Colunga, Parte Va.


[1] Mateus nos informa que dois homens possuídos por demônios vem ao encontro de Jesus (Mt 8.28), mas Marcos e Lucas se concentram suas narrativas apenas em um deles, provavelmente por causa de sua disposição de ir com Jesus e ser seu discípulo.
[2] Os evangelistas utilizam termos específicos: Mateus afirma expressamente que eles eram "possuídos pelo diabo", ou “endemoniado”, (δαιμονιζομενοι); Marcos diz que ele tinha "um espírito impuro", isto é, um espírito caído; e Lucas afirma que ele "tinha demônios por muito tempo", e era chamado de Legião, "porque muitos demônios entraram nele".
[3] A expressão “Filho do Altíssimo” está dentro do contexto judaico-helênico e na versão grega da Septuaginta está sempre sendo proferida por pagãos em referência ao Deus de Israel (Gn 14.18-20; Nm 24.16; 2Sm 22.14; Ex 15.1; Is 14.14; Jr 5.18, 21), o mesmo ocorrendo nas literaturas do Segundo Testamento (Atos 16.17; Hb 7.1), bem como nos textos produzidos pelos judeus da Diáspora.
[4] O primeiro ato de atividade pública de Jesus é o confronto com o espírito maligno. O primeiro em uma sinagoga judaica e agora em um espaço de predominância gentílica. Jesus vem para realizar a Nova Criação, trazendo ordem e beleza onde há apenas caos e escuridão.
[5] Os judeus não mantinham seus sepulcros dentro das cidades, para que não fossem contaminados; portanto, eles enterravam seus mortos nos campos ou montanhas. Seus sepulcros eram frequentemente escavados na rocha nos lados das colinas de calcário, e eram elevados e espaçosos, com câmaras de várias dimensões, algumas com mais de 20 pés quadrados, com recessos nas laterais para os corpos; para que os vivos pudessem entrar neles e ali depositarem seus entes queridos.
[6] Uma legião romana nos dias de Augusto poderia ter quase seis mil homens. Para todos os povos dominados pelo Império Romano (em si mesmo um símbolo do mal cf. Apocalipse), aqui especialmente para os judeus e posteriormente os cristãos, as legiões romanas eram símbolo de dor, sofrimento e morte - um grupo bem organizado, armado, pronto para a guerra e com grande poder de destruição. Perfeita ilustração do que representa Satanás e seus demônios.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Primeiro Testamento: Literatura Histórica - 1º Samuel – Contexto Histórico



            Tudo tem um começo”. Está pequena frase descreve muito bem o conteúdo do primeiro livro de Samuel. Diferentemente do que o índice da Bíblia possa indicar a monarquia de Israel não começa com as narrativas dos livros de Reis, mas seus primórdios e evolução são registrados nas páginas dos dois livros que levam o nome de Samuel. Até esse momento a organização que prevalecia era o sistema tribal onde cada uma das doze tribos tinha plena autonomia e se associavam quando surgiam ameaças externas. A figura catalizadora desse período eram os juízes que periodicamente surgiam, mas eram regionais e não deixavam sucessores. O livro recebe o nome de Samuel por que esse personagem permeia toda a narrativa. O livro se abre com as questões envolvendo o nascimento e desenvolvimento da vida de Samuel até o momento em que ele assume a função de Sacerdote, acumulando também a referência de juiz. Posteriormente, mediante pressão das lideranças tribais, vai surgir a figura do rei cujo primeiro a ser instalado, pela aclamação popular, foi Saul da tribo de Benjamim.
            Os dois livros de Samuel abrangem um longo período da história israelita: primeiro livro de Samuel registra quase um século de história, desde 1100 até 1011 AC, tendo as figuras de Samuel e Saul se destacando; o segundo livro de Samuel resumem quarenta anos de história, ou seja, de 1011 até 971 AC, e a proeminência esta na figura de Davi, desde sua infância, sua ascensão ao trono israelita e a consolidação da monarquia e estabelecimento da dinastia davídica, que posteriormente se tornará a dinastia messiânica, que se constituirá no ponto central da mensagem profética preservada na bíblia hebraica e depois inserida na bíblia cristã.
Contexto Histórico
O período de 1200 a 900 AC foi de desassossego nacional e controvérsia política. Há ressonâncias desse longo período nas literaturas históricas de Heródoto, Beroto, Josefo e posteriormente Eusébio. Desta forma, na conjunção destes registros históricos e as descobertas arqueológicas novas informações vão surgindo e afirmando e esclarecendo nosso conhecimento do período durante o qual ocorreram os acontecimentos de 1 e 2 Samuel.
Este período de desassossego, agitação e transição inicia-se com as migrações dos povos do mar que, direta ou indiretamente, afetaram todo o antigo Oriente. As conjunções políticas-econômicas-bélicas nos grandes impérios ao derredor de Canãa estavam passando por um período de convulsões e declínio. Neste período de Samuel governavam o Egito os sacerdotes da XX dinastia e os governantes faraós da XXI dinastia, cujos reinados se caracterizaram por debilidade, decadência e desunião nacionais. A Assíria e a Babilônia igualmente experimentavam suas convulsões: a debilidade interna e as invasões do exterior estavam à ordem do dia.
Desta forma a influência política do Egito e da Síria sobre a região de Canaã era inexistente nestas circunstâncias.  As migrações dos povos do mar e dos aramaicos se acrescentaram às dificuldades internas, e mantiveram a situação política internacional em todo o antigo Oriente em permanente estado de alerta durante quase dois séculos.
Dentro deste quadro de calmaria em toda região canaanita/palestino as tribos israelitas puderam consolidar seus territórios conquistados desde os dias de Josué. Agora aproveitando este período de plena autonomia e cansados das incursões dos povos fronteiriços, como os filisteus, amalequitas, edomitas, medianitas e amonitas, de modo que eles começam a pressionar o envelhecido juiz-profeta-sacerdote Samuel para estabelecer um sistema monárquico.
Aproveitando esse período de debilidade dos grandes impérios os primeiros reis de Israel foram reconquistando os territórios invadidos e submetendo seus vizinhos e nos governos de Davi e Salomão as fronteiras de Israel alcançaram sua maior extensão.
Ao introduzi-los na terra de Canaã ficou ordenado que em todas as tribos deveriam serem estabelecidas cidades para os levitas, que ficaram sem uma região especifica, para que pudessem instruir o povo quanto à Lei de Deus. Mas as narrativas no livro de Juízes deixam claro que os descendentes de Moisés-Josué pouca ou nenhuma atenção deram às palavras de Deus (qualquer semelhança com o evangelicalismo atual não é mera coincidência).  Muitas tribos não estabeleceram cidade para os levitas e foram se amalgamando com remanescentes dos povos canaanitas que não foram expulsos de seus territórios. A maior ironia é o caso de Jonatas, neto de Moisés (Jz 18.30) foi morar na casa de Mica o efraimitas (Jz 17.5) e chegou a ser sacerdote para a “casa dos desuses” de Mica e depois rouba as imagens e se refugia na tribo de Dã para ser ali sacerdote (Jz 18). Estabelece-se então o ditado “cada um fazia o que bem lhe parecia" e um circulo vicioso de afastamento, arrependimento e retorno a Deus, que permanece até os dias de Samuel, o último dos juízes.
A partir de Samuel este nefasto circulo é rompido. O jovem Samuel assume após a morte do velho sacerdote Eli, cujos filhos eram decadentes e acabaram morrendo em uma batalha mal sucedida.
O jovem sacerdote torna-se itinerante e de tribo em tribo foi resgatando os princípios da Lei de Moisés. Como não poderia estar em vários lugares ao mesmo tempo ele começa a estabelecer “escolas” onde jovens eram recebidos para aprenderem a ler e interpretar as Leis, a música e a preservarem a história religiosa. Estabelece uma em Ramá seu lar paternal (1Sm 19.19-24), mais tarde surgiram uma Gilgal (2Rs 4.38) e outra em Betel (2Rs 2.3) e Jericó (2Rs 2.15-22), essas três últimas  funcionavam nos dias dos profetas Elias e Eliseu. A expressão "escolas dos profetas" não aparece na literatura do Primeiro Testamento, mas os jovens que ali estudavam eram chamados "filhos dos profetas".  Dedicavam-se ao serviço de Deus e alguns deles serviam como conselheiros do rei.
Esboço (1 Samuel 1.1-2.11)
História de Samuel
v  Nascimento e Preparação Inicial (1.1-2.11)
o   Elcana e Ana (1.1-8)
o   Oração de Ana (1.9-18)
o   Nascimento de Samuel e sua consagração (1.19-28)
o   Cântico de Ana (2.11)

Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião.
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Historiologia Protestante
http.//historiologiaprotestante.blogspot.com.br/


Artigos Relacionados
Josué: Introdução Geral
Juízes: Introdução Geral
Rute: Sumário e Reflexão (Capítulo 1)
Primeiro Samuel. Introdução Geral

Referências Bibliográficas
BALANCIN, Euclides Martins. História do Povo de Deus. São Paulo. Paulus, 1989.
BAXTER, J. Sidlow. Examinai as Escrituras – Juízes a Ester, ed. Vida Nova, São Paulo, 1993.
BRIGTH, Jonh. História de Israel. 7ª. ed. São Paulo. Paulus, 2003.
CASTEL, Francois. Historia de Israel y de Judá. Desde los orígenes hasta el siglo II d.C. Estella. Editorial Verbo Divio, 1998.
CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. São Paulo. Hagnos, 2006, 8ª ed.
DOUGLAS, J. D. O Novo Dicionário da Bíblia. São Paulo. Vida Nova, 1995.
DRANE, John (Org.) Enciclopédia da Bíblia. Tradução Barbara Theoto Lambert. São Paulo. Edições Paulinas e Edições Loyola, 2009.
FOHRER, Georg. História da religião de Israel. Tradução de Josué Xavier; Revisão de João Bosco de Lavor Medeiros. São Paulo. Edições Paulinas, 1982.
FRANCISCO, Clyde T.  Introdução ao Primeiro Testamento. Rio de Janeiro. JUERP, 1969. 
GARDNER, Paul (Editor). Quem é quem na bíblia sagrada – a história de todos os personagens da bíblia. Tradução de Josué Ribeiro. São Paulo. Vida, 1999.
Halley, H. Manual Bíblico. São Paulo. Sociedade Religiosa Edições Nova Vida, 1983.
HOFF, Paul.  Os livros históricos. São Paulo. Vida, 1996.
TENNEY, Merrill C. (Org.). Enciclopédia da Bíblia. São Paulo. Cultura Cristã, 2008.

terça-feira, 15 de maio de 2018

O Homem Que Queria Ver Jesus



            Ele acordou com uma sensação estranha de que aquele dia seria diferente. Se alguém lhe perguntasse por que ou qual o motivo ele não saberia dizer, apenas sentia que algo especial iria acontecer.
            Fazia questão de manter uma rotina diária, pois isso lhe dava uma espécie de segurança de que as coisas estavam funcionando normalmente. Portanto, desde as primeiras horas da manhã ele já estava acordado e como sempre organizou o café matinal da família, pois era a única refeição que faziam juntos no dia. Suas atividades profissionais lhe tomavam todo o tempo e até mesmo o jantar nem sempre era possível participar com eles à mesa.
            Ele já pensara diversas vezes em mudar de atividade, mas nenhuma outra lhe possibilitava um retorno financeiro tão bom como o que ele tinha atualmente, de maneira que sempre acabava descartando ou como ele costumava dizer a si mesmo – postergando uma decisão mais radical.
            Fora muito difícil e dispendioso conseguir os direitos de exercer sua atividade profissional. A concorrência sempre foi e continuava sendo acirrada, de maneira que ele não podia abrir qualquer brecha, pois sempre havia alguém de olho para na primeira oportunidade tomar seu lugar.
            É verdade que sua profissão não era apenas flores, ainda que o lucro era sempre garantido, mas havia também muitos espinhos. Talvez o mais dolorido desses espinhos fosse a forma como seus vizinhos, conhecidos e a grande maioria dos cidadãos o tratavam.
            Ele nunca era convidado para as festas, a não ser quando insinuava que poderia arcar com parte das despesas, mas mesmo assim era tratado como um intruso. E quando abria as portas de sua casa para alguma refeição social, somente seus colegas de profissão e seus familiares vinham.
            Igualmente dolorido lhe era quando andando pelas ruas em direção ao trabalho ou mesmo quando fazia qualquer outra atividade sentia os olhares duros e implacáveis das pessoas e ouvia os sussurros ou até mesmo alguém mais exaltado lhe chamava de publicano e pronunciava uma série de vitupérios que o deixavam completamente constrangido. Com o passar dos anos pensou que fosse se acostumar com estes comportamentos descabidos ou que fossem diminuir de intensidade, mas nenhuma coisa e nem outra, sempre se sentia constrangido e em vez de diminuir ultimamente havia aumentado a intensidade das ofensas. Na semana anterior um comerciante quase o agrediu fisicamente, por se achar injustiçado, mas fora contido por alguns de seus empregados.
            Mas o que mais o fazia sofrer era a proibição de poder adentrar à Sinagoga para participar das reuniões. Sentia falta de ouvir a leitura da Torá, das orações e dos cânticos dos Salmos comunitários. Evidentemente que fazia tudo isso em sua casa, juntamente com sua família e todos os que estavam debaixo de seu teto, pois ele era o responsável pela vida deles, tanto física quanto espiritualmente. Mas como lhe fazia falta poder ir com a família e adentrar ao ambiente da Sinagoga. Mas quando se tornou um publicano e posteriormente alcançou o posto de chefe, passando a ser o responsável por toda coletoria de impostos da cidade de Jericó, cuja produção e exportação do balsamo girava a economia da cidade e por consequência do comercio, sabia o preço que haveria de pagar, pois era tratado como traidor do povo judeu e serviçal dos invasores romanos, uma vez que era obrigado por contrato a remeter a maior parte do que arrecadava para Roma.  
            Mas a vida continua. Após o café com a família se despediu e foi caminhando em direção ao seu posto de trabalho. Bastaram apenas alguns metros para perceber que havia mais movimento nas ruas do que o costumeiro para aquele horário matinal. Notou também que os olhares de repudio que lhe eram normalmente direcionados estavam escassos, como se ele não estivesse passando por ali, como o fazia rotineiramente. As pessoas conversavam e gesticulavam agitadamente, mas graças a Deus desta vez não estavam falando sobre ele. Enquanto caminhava ficou cada vez mais claro que algo importante havia ou estava para acontecer naquele dia. O que seria? Qual a razão de tanta agitação logo pela manhã?
            Com estas e outras indagações ele chegou ao seu posto na coletoria. Cumprimentou todos os funcionários e distribuiu as tarefas daquele dia a serem desempenhadas por cada um deles. Sentou-se à mesa de trabalho e começou a verificar algumas anotações que fizera no dia anterior, pois logo começaria a chegar as anotações de hoje. Foi quando levantando os olhos de seus papeis se apercebeu que seus funcionários estavam mais agitados do que o costumeiro. Até mesmo os mais contidos estavam conversando e gesticulando, como aguardando alguma noticia. Alguma autoridade romana iria passar pela cidade? Herodes ou Pilatos? Algum centurião romano com suas tropas? 
            Discretamente fez sinal para um deles, que saindo do pequeno grupo de cinco funcionários, dirigiu-se na sua direção. Então ele perguntou: o que esta acontecendo? Por que toda aquela agitação? O rapaz lhe respondeu: está correndo um boato de que um tal de Jesus estará passando pela cidade hoje. Ele tem caminhado por toda Palestina judaica com um grupo de discípulos; muito se tem falado da autoridade com que ensina e interpreta a Torá e dos muitos milagres que Ele tem realizado, até mesmo ressuscitando mortos e curando cegos e aleijados.
            Enquanto o funcionário retorna à roda ele começa a puxar na memória alguns extratos de conversas que tinha ouvido das muitas pessoas que pela coletoria passavam, advindos de todos os recônditos da Palestina e mesmo de fora dela. Lembrou-se de alguns comentários sobre um Galileu ou Nazareno, não sabia ao certo, que estava pregando sua mensagem de arrependimento e do reino de Deus por todo o território, ele até pensou que se tratava de João, o Batista, mas lembrou-se de que este ficava mais à beira do rio Jordão e que havia sido decapitado por ordem de Herodes Antipas.
Também não dera muito atenção a tais comentários, pois desde garoto sempre ouviu falar destes pregadores messiânicos que surgiam periodicamente e quase sempre da região da Galileia, sempre envolvidos em revoltas contra os romanos. Provavelmente esse Jesus era mais um destes agitadores que se aproveitavam das esperanças messiânicas dos mais oprimidos. Satisfeito sua curiosidade, retornou às suas atividades, pois as anotações do dia começavam a chegar e ele não tinha tempo a perder com boatos ou personagens folclóricos. Muitos diziam que ele era rico, mas não sabiam o quão duro trabalhava e o tamanho de sua responsabilidade – viam o vinho que ele tomava, mas não viam os tombos que levava.
Completamente absorvido pelas suas atividades contábeis ele nem percebeu que as horas avançaram rapidamente e que a muito o horário do almoço havia passado. Olhando ao redor percebeu que estava completamente sozinho na coletoria. Para onde foram todos? Levantou-se de sua escrivaninha e foi até à porta – assustou-se tamanho o movimento das pessoas na rua. Homens, mulheres e até jovens e crianças, todos caminhando agitadamente em direção à rua principal da cidade. Parou um homem que passava e perguntou: o que está acontecendo? O homem se desvencilhando de sua mão continuou andando e gritou: é Jesus! É Jesus! Ele acabou de curar um cego na estrada e vai entrar daqui a pouco na cidade!! Logo desapareceu em meio à pequena multidão que se formava em direção à rua principal.
Agora sua atenção foi cativada, pois este Jesus estava convulsionando toda a cidade. Teria Ele realmente curado um cego e seria Bartimeu que a tantos anos ficava esmolando à beira da estrada que dava entrada à cidade? Quando se apercebeu já estava caminhando na mesma direção em que as pessoas à sua frente e atrás estavam se dirigindo. Mesmo contrariado continuou a caminhar. Logo se viu em meio à uma imensa multidão que formavam uma espécie de muro intransponível, principalmente àqueles que como ele eram de estatura menor. Mais uma vez se reprovando por estar envolvido nessa convulsão social, pensou em retornar à sua coletoria tranquila e sossegada. Mas, ao contrário, se viu tentando transpor o muro humano que se interpunha à sua frente. Pensou rapidamente e visualizou as diversas ruas da cidade e suas pequenas vielas e traçou a mais provável rota que Jesus ladeado por esta  multidão deveria passar.
Contornando rapidamente a multidão encontrou uma pequena viela que conhecia bem, pois quando queria evitar os olhares e insultos era por ela que ele retornava para sua casa. Contendo-se para não correr caminha o mais rápido possível pela apertada rua e ao final caminhando mais dois quarteirões entra em outra viela quase imperceptível.
Pronto, chegara à rua principal e mais larga de Jericó. Sê têm uma rua pela qual Jesus teria que passar seria esta. Mas a muralha humana já se formara e muito maior do que a que tentara transpor anteriormente. De onde ele estava, a não ser que Jesus tivesse dois ou mais metros de altura, ele não conseguiria ver nem os cabelos dele. Um barulho misto de gritos e palavras de ordem eclode nos portões da cidade, vindo lentamente em direção a onde eles estavam – Jesus estava entrando na rua principal da cidade!
Irritado e quase tomado pela frustração ele levantou os olhos e viu algumas árvores de sicômoro. Algumas já estavam ocupadas por meninos, mais espertos do que ele. Correu até uma mais distante e rapidamente, como fazia em sua infância, subiu pelos galhos e se posicionou de forma segura. Sua respiração estava acelerada pela corrida e o esforço de subir na árvore. Mas que loucura se apossou dele! Ele era um adulto, tinha uma posição social, esposa, filhos, empregados e servos e ali estava ele – agindo como um moleque irresponsável. Será que alguém estava observando seu comportamento infantil? Logo se tranquilizou, pois todos os olhares estavam fixos na direção da rua em que Jesus haveria de surgir e ninguém tinha interesse no que ele estava fazendo, até porque todos os sicômoros estavam ocupados por aqueles que como ele desejavam ver esse Jesus.
Enquanto está ali apoiado ao tronco e segurando firme um galho mais grosso começa a fazer algumas conjurações: será que Ele vai para alguma casa especifica? Conhece alguma família em Jericó? Mais provável que esteja apenas de passagem para Jerusalém. Mas logo vai escurecer, o que Ele pretende?
Os sons até então distantes vão aumento seus decibéis na mesma proporção em que Jesus caminha pela rua principal. Ainda não é possível distingui-lo dos demais, pois uma pequena comitiva caminha entre uma multidão que se apinha sobre eles.  Ele sente certa satisfação, pois sua estratégia havia dado certo e agora somente alguns metros separam Jesus da árvore em que ele escolheu subir. Assim que Jesus passar ele vai descer da árvore, retornar à coletoria e ao final do dia chegará à sua casa e contara sua aventura juvenil para surpresa e delírio de sua esposa e seus filhos, que jamais o imaginariam capaz de tal traquinagem.
Mas de repente se faz um silêncio absoluto. Ele olha para baixo e para seu espanto e de todos ali, Jesus está parado debaixo da árvore em que ele havia subido. Então Jesus levantando os olhos o chama pelo nome! "Zaqueu, depressa! Desça dai, pois hoje Eu vou hospedar-Me em sua casa!"
Por uma fração de segundo Zaqueu ficou ali, parado, imaginando se realmente havia ouvido Jesus o chamar pelo nome ou estava confundindo com outro nome. Mas quando o seu olhar encontra o olhar de Jesus, toda e qualquer dúvida se dissipa! Realmente Jesus o havia identificado pelo nome. Mas como? Ele tinha certeza absoluta que nunca haviam se encontrado!
Ainda completamente impactado por Jesus ter parado e o chamado pelo nome, desce apressadamente da árvore e começa a caminhar à frente de Jesus em direção à sua casa. A multidão antes intransponível, agora como o Mar Vermelho vai se abrindo para que ele, Jesus e seus discípulos possam passar livremente. Mais alguns metros e começa a visualizar sua casa. O que dirá à sua esposa ao chegar com tantas pessoas completamente estranhas de uma vez e ainda para jantarem. Chegaram!!
Vai entrando e acomodando Jesus e os discípulos o melhor possível, enquanto a multidão vai cercando completamente sua casa. Encontra a esposa que fica assustada com tanta movimentação súbita e resumidamente conta-lhe o que acontecera e orienta o que ela precisa fazer. Chama seu filho mais velho e o envia para convidar todos seus colegas da coletoria e seus amigos publicanos para que venham à sua casa para conhecerem Jesus e jantarem juntos.
Do lado de fora não faltavam aqueles que se escandalizaram com o gesto amigável de Jesus. Tantas casas e homens muito mais importantes e justos e esse Mestre vai se hospedar na casa de um publicano e pecador como Zaqueu. Não é sem razão que as autoridades religiosas de Jerusalém o desprezam. De fato os fariseus e escribas têm motivos de sobra para perseguirem e criticarem os ensinos e as atitudes deste galileu. Quem pode levar a sério uma pessoa que se associa a publicanos traidores da pátria!
Mas lá dentro da casa, Zaqueu ouve atentamente cada palavra proferida por Jesus. De fato, como haviam dito a ele antes, nunca ouvira alguém falar da Torá e do Reino de Deus com tanta autoridade e poder como Jesus! Muito do que Jesus fala, ele já sabia ou tinha ouvido antes, mas agora tudo se torna novo e vivo!
Sua esposa e demais serviçais da casa começam a servir a refeição para todos os que ali conseguiram adentrar. Todos querem ficar o mais próximo de Jesus possível. Ainda que feita apressadamente e em quantidade muito acima do normal, a refeição tem um sabor especial. São os mesmos alimentos diários que estão sendo servidos, mas a companhia de Jesus torna aquele momento incomparável e maravilhosamente extraordinário!
As horas se passam rapidamente, mas ninguém tem coragem de sair. Para onde mais poderiam ir? Ah! Se a ampulheta do tempo pudesse parar esse seria o momento certo. Ou se ao menos os grãos de areia pudessem cair infinitamente mais lento do que o normal, que maravilha seria!
Então não podendo mais ser contido o turbilhão que tomara conta do seu interior, Zaqueu coloca-se em pé e se dirigindo a Jesus, mas também falando de maneira que todos os presentes na casa pudessem ouvir com clareza, faz uma declaração surpreendente: "Senhor, de agora em diante eu darei metade da minha riqueza aos pobres e se descobrir que cobrei demais os impostos de alguém eu pagarei uma multa devolvendo-lhe quatro vezes mais!" Um silêncio toma conta do ambiente. Não se ouve nem mesmo uma respiração. É como se o tempo congelasse por alguns segundos.
Então Jesus fala: "Isso mostra que hoje a salvação chegou a esta casa. Este homem era um dos filhos perdidos de Abraão, e Eu, o Messias, vim buscar e salvar filhos perdidos como este".
Uma explosão de jubilo de alegria ecoa por toda a casa e estende-se para o lado de fora e logo toda a cidade de Jericó toma conhecimento das declarações de Zaqueu, o chefe dos publicanos, e a resposta de Jesus.
Agora muitos anos depois desse acontecimento inigualável, Zaqueu uma vez mais se vê relembrando cada detalhe daquele dia memorável. Como acordara com aquela sensação de que o dia seria diferente. E não apenas foi diferente como fez toda a diferença na vida de Zaqueu e sua família. E a única razão é que Jesus entrou na sua casa e na sua vida!!

Como Zaqueu
Como Zaqueu eu quero subir,
O mais alto que eu puder
Só pra te ver, olhar para Ti.
E chamar sua atenção para mim
Eu preciso de Ti Senhor
Eu preciso de Ti o Pai
Sou pequeno de mais
Me dá a tua paz
Largo tudo pra te seguir
Entra na minha casa, entra na minha vida.
Mexe com minha estrutura, sara todas as feridas.
Me ensina a ter Santidade
Quero amar somente a Ti
Porque senhor é meu bem maior, faz um milagre em mim.

Compositor e Interprete: Regis Danese


Utilização livre desde que citando a fonte
Guedes, Ivan Pereira
Mestre em Ciências da Religião.
me.ivanguedes@gmail.com
Outro Blog
Historiologia Protestante
http://historiologiaprotestante.blogspot.com.br/

Artigos Relacionados
A MULHER À BEIRA DO POÇO
O HOMEM QUE QUERIA SABER MAIS
O GRANDE AMOR DE DEUS
BETÂNIA: Um Lugar de Refrigério e Vida
Um Luto Que Termina em Festa
Tempus Fugit
SALMO 23.1 - O Cuidado Pastoral de Deus
(Re)aprendendo a Olhar o Outro
O Jovem Que Pensava Saber Tudo